Saiba como legalizar um carro com suspensão rebaixada

O carro com suspensão rebaixada tem um visual mais agressivo e estiloso e vem conquistando muitos brasileiros ao longo dos anos! Ao contrário do que muita gente pensa, é possível legalizar seu carro rebaixado e desfilar com ele por aí sem problemas!

Porém, é necessário ficar atento a algumas normas e leis antes de modificar o seu veículo. Seguindo todas as regras, você pode rodar tranquilo e com a documentação correta. Esclareceremos também algumas dúvidas sobre seguro para carros rebaixados.

Acompanhe este post até o final e confira todas as dicas que separamos para você!

Amortecedores especiais
Para começar a processar a ideia de rebaixar a suspensão do seu carro, tenha em mente que as famosas “gambiarras” são proibidas. Cortar as molas, usar encolhedores ou “esquentar as molas” não é nada aconselhável.

Você não conseguirá a regularização de seu veículo caso alguns desses procedimentos listados tenham sido adotados para realizar o rebaixamento.

Não se trata apenas de conseguir regularizar ou não o carro. Buscar por peças e serviços de qualidade está ligado ao cuidado com seu patrimônio. Carros rebaixados de forma indevida podem até fundir o motor em casos de colisões entre o solo e o cofre do motor, o que significa um prejuízo e tanto para o seu bolso.

Além disso, é necessário entender a importância da suspensão. Estamos falando de um componente fundamental para o bom funcionamento de seu veículo. Um bom sistema de suspensão vai conferir dirigibilidade e um amortecimento necessário para absorver impactos. Pense, por exemplo, nas milhares de ruas esburacadas que temos pelas cidades brasileiras.

Processo legal
Agora que você já conhece a importância da regularização de seu veículo e escolheu o sistema de amortecimento correto para fazer a modificação, é hora de ficar atento às normas a serem seguidas e conseguir o “verdinho” sem dor de cabeça. O processo é longo e conta com vários detalhes.

A suspensão rebaixada pode ser fixa ou regulável (rosca ou pneumática) e é preciso que tenha o certificado do INMETRO. É importante também que a marca das peças seja a mesma das originais de fábrica.

Não se trata de uma regra, mas isso previne que o carro se comporte de maneira indesejada em termos de estabilidade, uma vez que todos os testes de controle de qualidade pelos quais o veículo tenha passado foram realizados com os componentes de fábrica.

Atenção também à qualidade do serviço realizado no rebaixamento. No momento da inspeção, qualquer irregularidade será percebida sem dificuldades. Por isso, não tente economizar comprando uma peça fora dos padrões recomendados ou aposte em alguma “gambiarra” para executar o serviço.

Jogar o carro no chão, como muitas pessoas fazem, também não é permitido. A altura mínima, medida a partir da frente do carro, deve ser de 10 cm do chão. E 10 cm, convenhamos, já é uma distância que te colocará em dificuldades para circular por alguns tipos de piso. Além disso, carros com peso superior a 3,5 toneladas não podem ser rebaixados.

Passo a passo para legalizar um carro com suspensão rebaixada
1. Procurar o Detran
O primeiro passo é ir ao Detran e informar que você fará modificações no seu carro. Será feita uma vistoria normal com o carro ainda original, em que todos os itens são avaliados: luzes, cintos, número do chassi, motor, etc. Portanto, preocupe-se em verificar se está tudo ok com o seu veículo para não ser reprovado antes mesmo de fazer o rebaixamento.

2. Instalar a suspensão
Depois da vistoria e com a autorização em mãos, você pode instalar a nova suspensão. Lembre-se de fazer esse serviço com um profissional qualificado que possa emitir notas fiscais. Elas serão necessárias em outro passo da legalização.

Na ocasião de você mesmo executar o serviço, a lei prevê algumas implicações mais sérias. Em casos assim, o proprietário do veículo terá de assinar uma declaração na qual ele fica responsável civil e criminalmente por qualquer problema decorrente no sistema de suspensão que coloque em risco o veículo e seus ocupantes.

3. Fazer uma nova vistoria
Depois de instalada a suspensão rebaixada, o carro terá de passar por uma bateria de testes, que é feita por uma empresa credenciada pelo INMETRO e pelo Denatran. Alinhamento, resistência das molas, teste de esterçamento (pneu e roda não podem tocar em nenhuma parte do para-lamas ou parte interna da caixa de rodas) serão feitos nessa vistoria.

Se o carro for reprovado, você terá um mês para realizar os ajustes e refazer a inspeção e os testes. No prazo de 30 dias, você tem direito a 3 tentativas. Caso o veículo seja aprovado, um laudo será emitido alegando estar apto para andar. Esse documento é conhecido como CSV (Certificado de Segurança Veicular).

4. Pagar a taxa de emissão dos certificados
Com todos os documentos e o CSV em mãos, é hora de retornar ao DETRAN. Lá será emitido um boleto para que você pague o Certificado de Registro do Veículo e o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo. Depois disso, seu novo documento com a observação de modificação será emitido.

Fizemos aqui um check-list das taxas e os valores que você deverá desembolsar até a essa altura do processo. Os valores apresentarão pouca variação entre os Detrans pelo país. Aqui está reunido apenas o que deve ser pago no Detran. Custos adicionais, como os da inspeção, serão apresentados no tópico seguinte.

Certificado de Registro de Veículo (CRV) – R$ 193
Autorização prévia – R$ 17,33
Certificado de Segurança Veicular (CSV) – R$ 39,66
Custos
O custo dos testes na empresa certificada pelo INMETRO fica em torno de R$ 200. Lembrando que o valor é cobrado para cada modificação que fizer no carro. No caso, se você optar apenas por modificar a suspensão, paga uma taxa para a empresa que realiza os testes. Há, ainda, o custo das taxas já cobradas pelos órgãos responsáveis pela vistoria. O custo total fica em torno de R$ 500.

Como dissemos, o processo para legalização é longo, porém fácil de ser seguido quando se tem todas as informações. É preciso ter em mente que o gasto será maior para a legalização da suspensão rebaixada, porém poder dirigir tranquilo por aí vale a pena, não é mesmo?

Fonte:https://blog.valenteseguros.com.br/saiba-como-legalizar-um-carro-com-suspensao-rebaixada/

Qual o significado das letras no campo observações da CNH.

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH), eventualmente, possui alguma restrição no campo observações.
A restrição nada mais é do que a indicação do que é necessário para que ele possa exercer o direito de dirigir. Desde de 2008 a CNH não vai mais recebe a restrição por extenso e utiliza apenas um código. O intuito do Contran é que somente os agentes fiscalizadores tenham domínio do que se trata a observação. O descumprimento do estabelecido caracteriza infração de trânsito prevista no artigo 162 tendo a seguinte readação:
Dirigir veículo sem usar lentes corretoras de visão, aparelho auxiliar de audição, de prótese física ou as adaptações do veículo impostas por ocasião da concessão ou da renovação da licença para conduzir:
Infração – gravíssima;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – retenção do veículo até o saneamento da irregularidade ou apresentação de condutor habilitado.
A tabela, abaixo, foi extraída do anexo XV, Res. 267/2008 do Contran, disponível no site www.denatran.gov.br .
Mas que código secreto é esse que somente os agentes fiscalizadores sabem? Vamos ver abaixo o que significa cada letra:
CÓDIGO/DESCRIÇÃO DA RESTRIÇÃO
A – OBRIGATÓRIO USO DE LENTES CORRETIVAS
B – OBRIGATÓRIO USO DE PRÓTESE AUDITIVA
C – OBRIGATÓRIO USO DE ACELERADOR À ESQUERDA
D – OBRIGATÓRIO USO DE VEÍCULO COM TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA
E – OBRIGATÓRIO USO DE EMPUNHADURA/MANOPLA/POMO NO VOLANTE
F – OBRIGATÓRIO USO DE VEÍCULO COM DIREÇÃO HIDRÁULICA
G – OBRIGATÓRIO USO DE VEÍCULO COM EMBREAGEM MANUAL OU COM AUTOMAÇÃO DE EMBREAGEM OU COM TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA
H – OBRIGATÓRIO USO DE ACELERADOR E FREIO MANUAL
I – OBRIGATÓRIO USO DE ADAPTAÇÃO DOS COMANDOS DE PAINEL AO VOLANTE
J – OBRIGATÓRIO USO DE ADAPTAÇÃO DOS COMANDOS DE PAINEL PARA OS MEMBROS INFERIORES E/OU OUTRAS PARTES DO CORPO
K – OBRIGATÓRIO O USO DE VEÍCULO COM PROLONGAMENTO DA ALAVANCA DE CÂMBIO E OU ALMOFADAS (FIXAS) DE COMPENSAÇÃO DE ALTURA E OU PROFUNDIDADE
L -OBRIGATÓRIO O USO DE VEÍCULOS COM PROLONGADORES DOS PEDAIS E ELEVAÇÃO DO ASSOALHO E OU ALMOFADAS FIXAS DE COMPENSAÇÃO DE ALTURA OU PROFUNDIDADE
M – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM PEDAL DE CÂMBIO ADAPTADO
N – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM O PEDAL DE FREIO TRASEIRO ADAPTADO
O – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM MANOPLA DE FREIO DIANTEIRO ADAPTADO
P – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM MANOPLA DE EMBREAGEM ADAPTADA
Q – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM CARRO LATERAL OU TRICICLO
R – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTONETA COM CARRO LATERAL OU TRICICLO
S – OBRIGATÓRIO O USO DE MOTOCICLETA COM AUTOMAÇÃO DE TROCA DE MARCHAS
T – VEDADO DIRIGIR EM RODOVIAS E VIA DE TRÂNSITO RÁPIDO
U – VEDADO DIRIGIR APÓS O PÔR DO SOL
V – OBRIGATÓRIO USO DE CAPACETE DE SEGURANÇA COM VISEIRA PROTETORA SEM LIMITAÇÃO DE CAMPO VISUAL
W – APOSENTADO POR INVALIDEZ
X – OUTRAS RESTRIÇÕES
Y – DEFICIENTE AUDITIVO (restrição aparece como X nas observações)
Z – VISÃO MONOCULAR (restrição aparece como X nas observações)